O Cabelo Na Gravidez E Puerpério

O Cabelo Na Gravidez E Puerpério

Habitualmente quem passa pela gravidez e pós-parto não fica indiferente às alterações do cabelo. As mudanças ocorridas na mulher nesta fase são muitas e torna-se assim mais facilmente visível a manifestação do seu ser no próprio cabelo.

Alterações ocorridas a nível hormonal, como é o caso do grande aumento de estrogéneo produzido nos ovários e placenta, responsável pelas características femininas, impede a queda do cabelo durante a gravidez. A progesterona responsável pelos enjoos iniciais, que pelo que tenho observado é mais acentuado em casos de mulheres que vivenciam mais a energia yang antes de engravidar.

A nível emocional inicia-se uma viagem de subida ao pico de si mesma, que culmina no parto com a sua morte e renascimento, passagem de menina a mãe.

Durante a gravidez a mulher é divinizada, recebendo toda a atenção, o que é para muitas algo de novo. Existe nesta nova fase uma luz a crescer dentro dela, e todo este sentir, associado a todas as outras alterações refletem em grande percentagem um cabelo lindo e sadio. Há durante toda a gravidez uma pausa na fase telógena do cabelo ficando assim também uma cabeleira mais farta.

Isto sucede na maioria dos casos, mas tive também casos de mulheres em que não se verificou, algumas delas com casos de gravidezes difíceis.

O parto, esse processo iniciático, como já referi, de morte e renascimento leva a mulher para um estado de consciência alterado, como se fosse ao céu buscar a sua amada criança(ou ainda não), e voltasse uma nova mulher-mãe com o seu bebé nos braços. E aqui começa o puerpério.

Um novo ser, parte dela própria, necessita de toda a atenção e amor para crescer, num momento de muito cansaço, seja pelo parto, pela mama, pelas horas não dormidas, na relação com o mundo agora novo, novamente alterações hormonais, perda de sangue, alerta constante, dificuldade em manter uma alimentação correta e pouca atenção dedicada ao próprio cabelo. Podia continuar a enumerar motivos pelos quais geralmente no pós-parto e por volta dos 3 meses como mãe e durante cerca de mais 3 meses o cabelo cai.

Nalguns casos é mais fácil para a mulher vivenciar esta fase e nem sentem este recomeço da fase telógena, pois o mundo interior de cada um está gravado nos fios do próprio cabelo.

Na natureza as fêmeas comem a placenta depois de a parirem como forma de suprimir a queda abrupta de hormonas, vitaminas, sangue do parto e pós-parto, ajudando-as assim no luto da fêmea que morre para se parir mãe e à sua cria. Na sociedade atual isso não acontece.

Nesta nova fase, sabe quem por ela passou, não há tempo, nem para o que seriam as necessidades básicas como tomar banho, fazer cocó ou comer. Dependendo de todas as variações como se o bebé é amamentado com leite materno ou artificial, se tem ajuda a mãe. Em que caso for a vida de toda uma família seja de 2 ou 20 pessoas muda. Um novo ser chegou e uma mãe, pai, avós, tios nasceram com ele.

Como poderia o cabelo desta mulher não se alterar? Neste renascimento um novo cabelo nasce, manifesta-se de forma a dar voz à mulher que também nasceu.

Conselhos para todas as recém mamãs. Aceitar todas essas mudanças de luz e sombra que o cabelo está a espelhar. Percebam que é uma fase e que caso não dure mais de 1 ano após o parto é natural. Tentem neste período e no fundo sempre, usar tudo o mais natural possível no vosso cabelo, ele vai agradecer. Mas mais importante que tudo, escutem-no, ele simplesmente fala-vos de todo o processo que se passa dentro do vosso ser. Honrando-o o cabelo vai responder brilhando em todo o seu esplendor e naquelas que são as suas características naturais, que devem ser amadas sejam elas quais forem.

About the Author

Ana Sofia Correia é a Founder do Método Cabeleireiro Holístico, uma abordagem aos Cabelos consciente, sustentável e respeitosa do Cabelo e do Ser Humano como um todo.

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook